Poesia

O Amor é mais do que se vê

Nem tudo se vê, nem tudo se sente
Tudo passa suavemente
Como quem espera a torrente
De um passado doce, ou enferme

No desejo ardente de ser renovado
Nas carícias das palavras
De alguém que passa, de alguém que sente
Ser alguém melhor

Um coração que sangra de saudade
Em cada estação
Entre o sol e a chuva
Tamanha é a paixão

As folhas levantam
Levam os sabores
Das cores constates
Que arrebentam o coração

Trovante e pulsante
Que espera de quem não vê
Como se fosse a primeira vez

Num sempre distante lugar
De uma lembrança
Que fica sem cobrar
Que a saudade é eterna
Só o brilho de um olhar
Nos lembra o quanto devemos amar

Por: Tânia Alexandra (Escritora e Autora da obra “O Reencontro”)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.