Conto

Arrependimento

Comecei a manhã com um café curto e um Nurofen no bucho. O barulho do vizinho de  baixo ensurdeceu-me, fazendo-me acordar com uma dor de cabeça feroz. Ou, pelo menos,  quero acreditar que é assim…

Nem a noite me traz calma. Nem a noite me dá sossego. Queria não acordar, pelo menos  hoje, com uma vontade certeira de ligar para ti, de te mandar uma simples sms a perguntar  como estás…

Mas o aperto no peito ainda permanece e o coração molda-se numa bola trágica de  mágoa e dissabor.

Levei a chávena de café para a janela e observei a estrada a ficar molhada pelas gotas da chuva. A chuva era leve, constante, um ritmo sedutor de tão lento e promissor, a tragar-me  a alma. Bebi um gole deixando que o líquido de sabor amargo, mas reconfortante, me escorresse  garganta abaixo na tentativa de me aquecer. Nunca ponho açúcar no café e, na verdade,  costumo bebê-lo frio. Por isso, como é que algo tão intemperado e frio podia de facto  reconstruir-me a alma?

Pus música a tocar, acendi uma vela, acendi, por sua vez, o cigarro na sua chama e voltei  novamente para a janela. Ainda chovia, o mesmo ritmo, a mesma vida a desenrolar-se nos  caminhos daqueles que percorriam a rua e o passeio, com o destino bem marcado como as  marcas dos pés vincadas invisivelmente nas pedras da calçada. Ou então, com a ilusão de tal,  porque nestas coisas da vida e do destino são esses dois conceitos que têm permissão para tudo  e nós apenas nos iludimos de que podemos alguma coisa.

Olhei uma vez mais para o telemóvel, pousado na mesa atrás de mim, e engoli em seco.  Expeli o fumo e vi-o por entre a nuvem cinzenta, como o meu estado de espírito. Já viste? Já te  desta conta de como fico quando não te tenho por perto? Refugio-me nos vícios. Encontro paz  em tudo aquilo que me faz mal. Café, cigarros, solidão. E tu, tão longe…

Já nem me lembro, sinceramente, de quem foi a decisão da partida, afirmando o cruel  paradigma de que seria melhor assim.

Ai o ser humano e a sua mania de que sabe tudo, sem sequer se aperceber de que, na  verdade, não sabe praticamente nada!

Sei que estou a errar, sei que já é um erro a minha fraqueza e incerteza em saber se te  hei-de ligar ou não. E sem ser preciso muito, percebo que se o quero, se o sinto, é isso que devo  fazer. Não sabemos quando pode ser o último minuto, o último momento. Um dia, pode ser  tarde. E onde ficam as palavras não ditas? O amor não declarado? A paixão não consumida?

Pego no telemóvel e acedo aos rascunhos – o eterno e fiel protótipo de uma mensagem  já escrita, guardada na indefinível indecisão. Coloco o teu número que sei de cor e carrego no  botão “enviar”. Sem ser preciso constatar em voz alta, sei que acabei de ficar refém de outro  beco sem saída. Amanhã estarei aqui novamente, a beber outro café curto, a acender mais um  cigarro no pavio quase apagado da vela e a esgotar a carteira de Nurofen, na tentativa de curar  a dor de cabeça que, como a do meu coração, é crónica. Estarei pronta para lidar com as  consequências. Pelo menos, não fico com o peso de nem sequer ter tentado resgatar-nos do  abismo, mesmo que estejamos condenados a cair nele, sem retorno.

Por: Nádia Carnide Pimenta (Escritora e Autora das obras, “Da Ponte P’ra Cá” e “Diamante do Sul”)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.