Literatura

A Beleza da Não Ficção

O filósofo chinês Confúcio disse que, “Não há como abrir um livro sem aprender nada.” O género de não ficção é a denominação genérica para qualquer categoria de trabalho literário que não se caracteriza como obra fictícia – podemos logo encarar género de não ficção como histórias reais através de uma linguagem literária.

Muitos fogem deste género com medo de não perceber a informação exibida nos textos ou com medo de se aborrecer e eu admito que quando adolescente passei pelo mesmo. Sempre tive uma forte ligação com a ficção, especialmente o subgénero de fantasia, mas nem sabia o que perdia. Com o tempo e com a minha entrada na licenciatura de Marketing fui descobrindo novos temas que captaram a minha atenção/me intrigaram. E para que também possas desfrutar e beber do extenso conhecimento disponível nos livros deste género, eu e o Pedro Amaral deixamos no final algumas recomendações de livros.

Retomando a leitura de livros de não ficção, existem algumas táticas que ajudaram-te a aproveitar ao máximo a sua leitura, mesmo que não gostes de ler não ficção:

  1. Resumindo (…)
    Para conseguires melhor compreender os livros que estás a ler opta por realizar resumos de cada capítulo/livro inteiro. Partindo do ponto que estarás a ler sobre um assunto que te interessa tenta tratá-lo como se fosse um estudo, o que fará com que a informação fique gravada na tua memória.
  2. Tira o lápis e sublinhador
    Utilizar um sublinhador para destacar partes importantes do livro ou um lápis para realizar apontamentos nas margens do livro irá permitir com que possamos futuramente detetar com mais facilidade as partes importantes, aumentando assim a taxa de retorno do livro.
  3. Vê antes de ler
    Antes de ler, ou mesmo comprar, um livro faz questão de dar uma vista de olhos à sinopse do livro (na contracapa/orelhas do livro) e na índice do mesmo; algo que dar-te-á o conhecimento dos assuntos abordados.

Para os nossos leitores, aqui se seguem algumas sugestões de livros do género de não ficção:

  • A Arte do Pensamento Criativo [The Art of Creative Thinking] de Rod Judkins1Livro, A Arte do Pensamento Criativo:
    Este livro revela como podemos transformar-nos, a nós próprios, aos nossos negócios e à nossa sociedade mediante um entendimento mais aprofundado da criatividade humana. Este é um ótimo livro para quem ambiciona desenvolver a sua criatividade.
  • A Força do Hábito [The Power of Habit] de Charles Duhigg2Livro, A Força do Hábito:
    A maioria das opções que tomamos parecem-nos resultado de decisões muito bem pensadas, mas não, são hábitos. Esta é uma ótima recomendação para quem planeja mudar o seu estilo de vida, adquirir um novo hábito e para todos os interessados nas áreas das ciências empresariais e sociais.
  • Princípios [Principles] de Ray Dalio3Livro, Princípios:
    O fundador e ex-presidente do fundo de cobertura, Bridgewater Associates, que teve um total de ativos sob gestão de $140 mil milhões em 2021, neste livro são nos dados concelhos que permitiram-nos ter uma vida e carreira melhor.
  • O Homem em Busca de um Sentido [Man’s Search for Meaning] de Viktor E. Frankl4Livro, O Homem em Busca de um Sentido:
    Escrito em 1946, pelo psicoterapeuta Viktor Frankl nos seus momentos de maior sofrimento (durante a sua detenção num dos campos de concentração da Alemanha Nazi) nele o autor narra a sua dramática luta pela sobrevivência e sintetiza o seu método que qualquer um de nós pode aplicar no seu quotidiano.
  • Meditações [Meditations] de Marcus Aurelius5Livro, Meditações:
    Nesta obra escrita pelo filósofo estoico e imperador romano somos aqui somos presenteados com máximas e lições intemporais; este é um manual de comportamento, que apela à reflexão sobre como podemos melhorar o nosso modo de vida e o nosso relacionamento com os outros.
  • Nós Somos Refugiadas [We Are Displaced] de Malala Yousafzai6Livro, Nós Somos Refugiadas:
    Este livro conta a jornada, na primeira pessoa, de crianças (maioritariamente raparigas) que tiveram de se separar das suas famílias e fugir das suas casas/países. Podemos percecionar este livro como uma alerta para uma das maiores crises humanitárias, a crise dos refugiados.

Os géneros de ficção e não ficção tem funções/utilidades diferentes. Podemos claramente aprender lições importantes com ambos os géneros; a não ficção aproxima-nos de um dos objetivos da prensa de Gutenberg, difundir o conhecimento e dar-nos uma melhor precessão do mundo ao nosso redor

Por: Mariana Salvador (Criadora de Conteúdo e Mestrada em Marketing)


Obra Por, Carl Larsson, “Self-Portrait (In the new studio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.