Poesia

Estranhamente Feliz

Estou estranhamente feliz,
peculiarmente contente.

E de onde vem todo este
descontentamento contentado?

Impávido sentimento
que desorienta o orientado?

Sem razão, pelo menos aparente;
Sem motivo, pelo menos julgo eu;

E como uma rameira,
que na noite
procura por rendimento.

Continuarei eu
à procura da peculiaridade contente
que me invade a mente.

Por: Carolina Pinto (Escritora)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.