Poesia

Noite Feliz

A noite de Natal cai branca, lá fora
Nos teus braços, olho pela janela,
Aguardo impacientemente a hora

Em que abrirás e serás o presente
Em que dirás sim ou não, do futuro
Provarás que és, em nós, crente

Fecho os olhos à procura de paz,
Inspiro fundo em abalo e submeto-me,
Ajoelhado, só peço que nunca vás:

«Sei que fui o homem com mais sorte,
Encontrar-te sem sequer saber o Norte…
Uma noite, visitado por um único mago,
Ainda hoje entregue ao primeiro afago…
Nas tuas mãos, não encontrei incenso
Mas foi-me oferecido um amor imenso…»

Emoldurada pelas estrelas de granizo,
Desvendas o olhar num belo segredo,
Sussurras as palavras cruzadas em riso:

«Ora aqui estás tu, tão meu
Um sonho que alguém criou
E nunca ninguém leu»

Em casa, ouve-se o tocar dos sinos
Levanto-me, puxo-te e, num beijo,
Selamos os nossos meios-destinos

A tua mãe ri-se, eufórica com o vinho:
«Olhem-me estes dois pombinhos,
A dar espetáculo debaixo do azevinho!»

Desfaz-se o beijo, rompe-se o abraço,
A noite de Natal cai branca, lá fora,
E, nos teus lábios, pendes o nosso laço

«Sei bem a razão por que assim sorris
Nem sabes o quão afável é dares-me
Esta noite, a minha noite mais feliz»

Por: Márcia Filipa (Escritora)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.