Poesia

Dor de Mãe

De longe, vejo uma porta aberta.
Está a chover intensamente.
Não tenho ninguém, estou sozinho!

Começo a correr.
A chuva embate nas minhas faces com intensidade.

Entro pela porta e fecho-a.
Está escuro lá dentro.
Tento encontrar o interruptor,
mas não o acho.

A chuva fustiga nas janelas.
Ouço barulho em todo o lado.
Procuro a porta mas não a encontro.

O desespero toma conta de mim.
Sinto os meus poros a abrir,
O meu sangue a fervilhar.
O meu coração está tão acelerado,
que dói com o seu bater.

Olho em redor não vejo nenhuma saída.
De repente ouço uma voz linda!
Vem do fundo da casa e parece que conheço.

Conheço pois.
Lembro-me desta voz desde sempre.
É ele! O meu moço!
Aquele que foi sempre meu!

Começo a andar em direção à voz,
Mas ela profere “Não venhas, minha mãe!”.

Com o ecoar da sua voz as minhas pernas estremecem.
Mas aproximo-me mais, ignorando o que diz.

Mas de repente, não mais que de repente a voz,
Repete de novo e choro.

Choro, pois é o meu moço que está ali,
e não quer o meu aconchego.
Caio de joelhos, deixando cair lágrimas de pesar.

Dói! Dói por dentro.
Mas será que poderá doer mais?

Por: Inês Pereira Fernandes (aluna da Escola Secundaria D. Maria II, Braga)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.