Poesia

Ensaio

Somos seres errantes,
Deambulando por entre instantes,
De alegria, tristeza, euforia, beleza,
Um sem-fim de incerteza.
Criamos o nosso mundo, e
Alheados à realidade, fugimos dela
Embrulhados na futilidade.
Redes sociais, negócios digitais.
Hábitos ancestrais
Que se desvanecem, como se nunca
Tivessem ocorrido.
E no fim de tudo, para quê?
Um breve instante de felicidade, 
Para dar origem a uma saudade
Do que éramos antes,
Seres errantes, uma brevidade,
Uma singularidade,
Neste instante sem fim.

Por: Frederico Alves (Escritor e Autor do livro, “Synapsys“)

4 thoughts on “Ensaio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.