Poesia

Saudade

Inevitavelmente certo e destinado,
um dia chegaria a vez,
tão certeiro como 1+2 serem três 
onde ninguém estaria preparado.

O presente embrulhado em devaneios, 
realidade ou sonho alheio?
E hoje? Estamos em que dia?
Será loucura? Ou uma recaída?!

Ansiar voltar para trás,
Carregar no stop e o tempo parar!
Quero regressar e zás!
Reformular, trocar, apagar.

Vão passando frios os dias.. 
Envolvida numa intensa névoa,
De delírios vazios
Onde os sorrisos são ousadias
E a ausência povoa.

Agora moras no despido jardim,
Minha incapacidade de aceitar, 
Faz-me todos os dias esperar:
pelo abraço que há-se chegar,
da próxima vez que te vou encontrar.
Nesta saudade eterna que me consome… porque sim!

Enquanto é difícil tua ausência aguentar,
Vou relembrando tua voz, à noite… ao rezar! 1Poema escrito em memória do meu avô

Por: Inês Lopes (Escritora e Autora do livro, “Miragem“)

Notas de rodapé

Notas de rodapé
1 Poema escrito em memória do meu avô

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.